Yu-gi-oh!

Yu-gi-oh!
dragão branco de olhos azuis, dragão luminoso de olhos azuis e dragão supremo de olhos azuis.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

sábado, 28 de julho de 2012

terça-feira, 24 de julho de 2012

domingo, 22 de julho de 2012

sexta-feira, 20 de julho de 2012

quarta-feira, 18 de julho de 2012

segunda-feira, 16 de julho de 2012

sábado, 14 de julho de 2012

quinta-feira, 12 de julho de 2012

terça-feira, 10 de julho de 2012

domingo, 8 de julho de 2012

sexta-feira, 6 de julho de 2012

quarta-feira, 4 de julho de 2012

segunda-feira, 2 de julho de 2012

Meiose.


 
A meiose é o processo que se verifica tanto nos órgãos sexuais masculinos quanto femininos. Através da meiose os gametas ficam com o número de cromossomos reduzidos à metade, ao estado denominado haplóide. Quando o gameta de origem materna se une ao gameta de origem paterna o número de cromossomos característico da espécie é restabelecido.
A meiose é um processo divisional, que, a partir de uma célula inicial com 2n cromossomos, leva à formação de células filhas com metade desse número. Também é definida como o processo que envolve duas divisões sucessivas do núcleo, acompanhada de uma só redução no número de cromossomos.
A divisão meiótica compreende 2 fases: a reducional (meiose I) e a equacional (meiose II). Na primeira etapa, também denominada reducional, ocorre a diminuição no número de cromossomos. Na segunda, equacional, o número de cromossomos das células que se dividem é mantido igual aos das células que se formam.
 Dependendo do grupo de organismos, a meiose pode ocorrer em diferentes momentos do ciclo de vida: na formação de gametas (meiose gamética). As duas etapas possuem fases que se caracterizam por eventos biológicos marcantes, sendo relacionadas e descritas abaixo:

Meiose I 

Prófase I: é dividida em cinco etapas:
- leptóteno: há a condensação dos cromossomos; 
- zigóteno: o cromossomo, duplicados, emparelhasse com seus homólogos; 
- paquíteno: início das permutações, propiciando, em termos práticos, a variabilidade genética, uma vez que há a troca de segmentos homólogos entre cromátides não-irmãs de um par de cromossomos homólogos; 
- diplóteno: os cromossomos começam a se afastar, mas com seus centrômeros inalterados;
- diacinese: há a completa separação dos homólogos e a carioteca desaparece. 
Metáfase I: os cromossomos se agrupam na região equatorial da célula, com o auxílio das fibras do fuso. 
Anáfase I: os cromossomos se separam, sem romper as cromátides: cada um começa a migrar para um pólo.
Telófase I: o nucléolo e a carioteca reaparecem; o citoplasma se divide (citocinese) e formam-se duas células-filha.

Meiose II

Prófase II → os cromossomos voltam a se condensar, o nucléolo e a carioteca desaparecem novamente. Os centríolos se duplicam e se dirigem para os pólos, formando o fuso acromático. 
Metáfase II → os cromossomos se organizam no plano equatorial, com suas cromátides ainda unidas pelo centrômero, ligando-se às fibras do fuso. 
Anáfase II → separação das cromátides irmãs, puxadas pelas fibras em direção a pólos opostos. 
Telófase II → aparecimento da carioteca, reorganização do nucléolo e divisão do citoplasma completando a divisão meiótica, totalizando 4 células filhas haplóides.
Na segunda divisão as duas células-filhas resultantes seguem etapas que ocorrem tais como na mitose e, inclusive, possuem os mesmos nomes. Ao final destes eventos, cada um dos cromossomos duplicados, de cada uma das duas células, dá origem a dois cromossomos simples, resultando em quatro células-filhas haplóides.


http://www.brasilescola.com/biologia/meiose.htm

http://www.ufv.br/dbg/labgen/divcel.html

Related Posts with Thumbnails