Yu-gi-oh!

Yu-gi-oh!
dragão branco de olhos azuis, dragão luminoso de olhos azuis e dragão supremo de olhos azuis.

quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Resumo do Neodarwinismo.


O neodarwinismo baseia-se na teoria proposta por Darwin e reconhece como principais fatores evolutivos a mutação, a recombinação gênica e a seleção natural, mas é mais como uma complementação da teoria de Darwin em relação às fontes de variabilidade das populações, possibilitando a partir de 1910 com o desenvolvimento da Genética e o conhecimento do material hereditário.
A Teoria sintética da evolução ou Neodarwinismo foi formulada por vários pesquisadores durante anos de estudos, tomando como essência as noções de Darwin sobre a seleção natural e incorporando noções atuais de genética. A mais importante contribuição individual da Genética, extraída dos trabalhos de Mendel, substituiu o conceito antigo de herança por meio da mistura de sangue pelo conceito de herança por meio de partículas os genes. A partir da compreensão da transmissão de caracteres através dos genes e da variabilidade genética foi possível explicar como as características são passadas para os descendentes e também a variação entre indivíduos da mesma espécie.

Esta teoria baseia-se em quatro processos básicos da evolução: mutação, recombinação, genética, seleção natural, isolamento reprodutivo.
Os três primeiros são responsáveis pelas fontes da variabilidade; os dois últimos orientam as variações em canais adaptativos.
Pontos básicos da teoria moderna:
a) As variações de uma espécie dependem de mutações.
b) As mutações ocorrem ao acaso.
c) A luta pela vida dá-se entre os indivíduos e o meio ambiente.
d) Da luta pela vida, resulta a seleção natural dos mais aptos ou adaptados às condições do meio.

e) O isolamento geográfico ou sexual impede que as características do tipo novo misturem-se com as características do tipo primitivo. 
A partir daí foi possível compreender que as mutações e recombinações gênicas são fatores que promovem a variabilidade entre os organismos que serão, então, selecionados de acordo com as pressões exercidas pelo ambiente.

Retirado do site: http://vestibular.uol.com.br/revisao-de-disciplinas/biologia/evolucao.jhtm

http://www.colegioweb.com.br/biologia/neodarwinismo.html


 http://www.biomania.com.br/bio/conteudo.asp?cod=1228

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

domingo, 27 de dezembro de 2015

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

sábado, 19 de dezembro de 2015

Combustíveis fósseis.


Os combustíveis fósseis são substâncias de origem mineral, formados pelos compostos de carbono. São muito utilizados na atualidade. Os combustíveis fósseis mais conhecidos são: gasolina, óleo diesel, gás natural e carvão mineral.
Tirando o gás natural, os outros combustíveis fósseis costumam gerar altas quantidades de poluentes que prejudicam a qualidade do ar e contribuem para o fenômeno do efeito estufa.
De acordo com dados da Agência Internacional de Energia (AIE), aproximadamente 87% de todo o combustível consumido no mundo é de origem fóssil, ou seja, não renovável.
Após serem processados adequadamente para determinada utilização, essas fontes energéticas podem ser empregadas na produção de combustíveis, lubrificantes, energia elétrica, aquecimento de caldeiras e fornos, entre outros. Apesar das várias vantagens, os combustíveis fósseis são extremamente poluentes e a sua utilização desordenada contribui para o aquecimento global, desencadeia chuvas ácidas, emite gases que poluem a atmosfera, contaminam os recursos hídricos, etc.

Por serem de origem fóssil, esses combustíveis irão se esgotar na natureza. Caso não se reduza a média de consumo registrada nas últimas décadas, as reservas mundiais de petróleo e gás natural devem se esgotar em 100 anos e as de carvão, em 200 anos.

Informação sobre os três principais combustíveis fósseis.

O carvão mineral.


É oriundo do soterramento e da decomposição de material vegetal que, ao longo do tempo, perdem oxigênio e água e ganham carbono. Usado como fonte geradora de energia, a combustão do carvão é responsável pela emissão de grandes quantidades de gás carbônico.


O petróleo.

É encontrado nos poros das rochas sedimentares que, ao apresentarem permeabilidade, permitem sua vazão e, consequentemente, a formação de reservatórios economicamente exploráveis. No entanto, uma bacia petrolífera leva milhares de anos para ser constituída, daí a caracterização do petróleo como combustível fóssil não renovável na escala humana de tempo. A partir do refino do petróleo são extraídos produtos como solventes, gasolina, óleo diesel, lubrificantes, querosene, gás de cozinha e matéria-prima para a fabricação de plásticos e asfalto.


O gás natural.

Assim como o petróleo, deriva da decomposição de material fóssil orgânico e encontra-se acumulado em rochas porosas no subsolo da Terra. Considerado fonte de
energia limpa, por estar em estado gasoso e apresentar baixos índices de gás carbônico, compostos de enxofre e nitrogênio, o gás natural tornou-se uma matriz energética ecologicamente correta, porém não renovável, uma vez que leva milhares de anos para ser formado.

O transporte do gás natural de suas reservas às redes distribuidoras é feito por meio de tubulações enterradas e protegidas com placas de concreto. No setor de transportes, o gás natural substitui os combustíveis derivados do refino do petróleo, como gasolina e óleo diesel. Também é utilizado nas indústrias como fonte geradora de calor e energia elétrica.

Retirado do site: http://www.suapesquisa.com/o_que_e/combustiveis_fosseis.htm

http://www.suapesquisa.com/pesquisa/combustiveis.htm

http://www.brasilescola.com/geografia/combustiveis-fosseis.htm

http://www.bioclimatico.com.br/document.aspx?IDDocument=188

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

domingo, 13 de dezembro de 2015

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Tron: O Legado.


Elenco: Michael Sheen, Jeff Bridges, Olivia Wilde, John Hurt, Garrett Hedlund, Serinda Swan, James Frain, Bruce Boxleitner, Beau Garrett.
 Direção: Joseph Kosinski
 Gênero: Ação 
Duração: 125 min.
Distribuidora: Disney
Estreia: 17 de Dezembro de 2010

 Sinopse. 

Sam Flynn (GARRETT HEDLUND), o especialista em tecnologia de 27 anos filho de Kevin Flynn (JEFF BRIDGES), investiga o desaparecimento do pai e se vê preso no mesmo mundo povoado por programas ferozes e jogos fatais onde seu pai vive há 25 anos. Junto com sua fiel confidente (OLIVIA WILDE) Kevin, pai e filho embarcam em uma jornada de vida e morte por um universo cibernético visualmente deslumbrante que se tornou muito mais avançado e extremamente perigoso.

 Curiosidades.

» 'Tron: O Legado' é continuação da cultuada ficção-científica 'Tron', de 1982.
 » Jeff Bridges retoma seu papel e a direção será de Joseph Kosinski, estreante em longas.
» O vencedor do prêmio Grammy® Daft Punk está compondo a música para 'Tron 2: O Legado'.

 Trailer.



 Retirado do site: http://www.cinepop.com.br/filmes/tron2legado.php

sábado, 5 de dezembro de 2015

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

domingo, 29 de novembro de 2015

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Resumo da teoria “Origem das espécies” de Darwin.


Charles Darwin (1809-1882) foi um naturalista inglês que ficou conhecido pela elaboração da teoria da seleção natural.
De acordo com esta, a evolução dos seres vivos foi originada de um ancestral comum, herdando pequenas modificações, que, a partir da seleção natural, se perpetuariam ou não. Ou seja, as espécies animais e vegetais são mutáveis. A teoria foi criticada, não somente no campo científico, como também na área ideológica e religiosa em todo o mundo.
Em uma população existe variabilidade entre os indivíduos, ou seja, estes não são iguais entre si. Essa variabilidade faz com que alguns indivíduos tenham características mais propícias a sobreviver num determinado ambiente.

Assim, dentro da população, aqueles que apresentam tais características tendem a sobreviver, e aqueles que não as têm tendem a morrer. Portanto, pode-se dizer que os indivíduos são submetidos a um processo de seleção natural realizado pelo ambiente.
Um exemplo são as girafas, segundo Darwin, as populações de girafas ancestrais apresentavam diversos tamanhos de pescoços. A competição intraespecífica e a seleção natural favoreceram aqueles indivíduos com pescoço mais longo. Estes, por sua vez, obtiveram um maior sucesso reprodutivo, deixando um maior número de descendentes.
Os princípios básicos das ideias de Darwin podem ser resumidos no seguinte modo:

  • Os indivíduos de uma mesma espécie apresentam variações em todos os caracteres, não sendo, portanto, idênticos entre si.
  •  Todo organismo tem grande capacidade de reprodução, produzindo muitos descendentes. Entretanto, apenas alguns dos descendentes chegam à idade adulta.
  •  O número de indivíduos de uma espécie é mantido mais ou menos constante ao longo das gerações.
  • Assim, há grande "luta" pela vida entre os descendentes, pois apesar de nascerem muitos indivíduos poucos atinge a maturidade, o que mantém constante o número de indivíduos na espécie.
  • Na "luta" pela vida, organismos com variações favoráveis ás condições do ambiente onde vivem têm maiores chances de sobreviver, quando comparados aos organismos com variações menos favoráveis.
  • Os organismos com essas variações vantajosas têm maiores chances de deixar descendentes. Como há transmissão de caracteres de pais para filhos, estes apresentam essas variações vantajosas.
  • Assim, ao longo das gerações, a atuação da seleção natural sobre os indivíduos mantém ou melhora o grau de adaptação destes ao meio.
 Retirado do site: http://opiniaoenoticia.com.br/vida/ciencia/teoria-da-evolucao/

http://vestibular.uol.com.br/revisao-de-disciplinas/biologia/evolucao.jhtm

http://www.algosobre.com.br/biologia/teorias-da-evolucao.html

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Thor.


Elenco: Chris Hemsworth, Tom Hiddleston, Natalie Portman, Anthony Hopkins, Idris Elba, Kat Dennings, Ray Stevenson, Stellan Skarsgård, Rene Russo, Clark Gregg, Jaimie Alexander, Josh Dallas.

 Direção: Kenneth Branagh 

Gênero: Aventura 

Duração: 130 min.

 Distribuidora: Paramount Pictures 

Estreia: 29 de Abril de 2011

Sinopse.  

A aventura épica se inicia no planeta Terra nos dias de hoje até o reino de Asgard. O Poderoso Thor é um arrogante guerreiro cujas ações intempestivas despertam uma guerra antiga. Como castigo, Thor é enviado à Terra e forçado a viver entre os mortais. Uma vez aqui, ele aprende o que significa ser um verdadeiro herói, depois que o vilão mais poderoso de seu mundo envia as forças negras de Asgard para invadir o planeta.

Curiosidades.

 » A sequência pós-créditos de 'Thor' não foi dirigida por Kenneth Branagh, e sim por Joss Whedon ('Os Vingadores'). 

» Mark Protosevich ('Eu Sou a Lenda') é responsável pelo roteiro do longa. 

» Branagh é expert em adaptações de obras de William Shakespeare. Já comandou, entre outros, 'Frankenstein de Mary Shelley' e 'Hamlet'.

Trailer.




 Retirado do site: http://www.cinepop.com.br/filmes/thor.htm


terça-feira, 17 de novembro de 2015

domingo, 15 de novembro de 2015

sexta-feira, 13 de novembro de 2015

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Formas de governo.


Monarquia. 

A monarquia consiste no regime de governo de uma só pessoa, no caso, o rei. A troca de poder monárquico pode ser feita de forma hereditária ou por indicação. Agregado à monarquia temos o parlamentarismo que consiste em uma assembleia eleita pelo povo, com poder legislativo.
Este sistema de governo foi muito comum em países da Europa durante a Idade Média e Moderna. Neste último caso, os monarcas governavam sem limites de poder. Com Revolução Francesa (1789), este sistema de governo entrou em decadência, sendo substituído pela República, na grande maioria dos países.
Hoje em dia, poucos países utilizam este sistema de governo e, os que ainda o usam , conferem poucos poderes nas mãos do rei. O período monárquico no Brasil ocorreu entre os anos de 1822 e 1889, com os reinados de D. Pedro I e D. Pedro II.


Parlamentarismo.

O Parlamentarismo é um sistema de governo em que o poder legislativo proporciona a sustentação política para o poder executivo. Sendo assim, o poder executivo necessita do poder do parlamento para ser constituído e também para governar.
O sistema parlamentarista pode se apresentar de duas maneiras:
 Na República Parlamentarista, o chefe de estado é um presidente eleito pelo povo e empossado pelo parlamento, por tempo determinado.
 Nas Monarquias parlamentaristas, o chefe de governo é o monarca, que assume de forma hereditária.
O parlamentarismo tem sua origem na Inglaterra Medieval. No final do século XIII, nobres ingleses passaram a exigir maior participação política no governo, comandado por um monarca.
O sistema parlamentarista é um sistema mais flexível que o presidencialista, pois em caso de crise política, por exemplo, o primeiro-ministro pode ser substituído com rapidez e o parlamento pode ser derrubado o que no caso do presidencialismo, o presidente cumpre seu mandato até o fim, mesmo em casos de crises políticas.

No Brasil, a prática parlamentarista chegou a ser estabelecida em dois período históricos distintos: no período imperial e no período republicano.
No Brasil Imperial, a prática parlamentarista entra em vigor no 2º Reinado, no período entre os anos de 1847 e 1889. Esta prática parlamentar chegou ao fim com o advento da República no Brasil, em 1889.
A segunda experiência parlamentarista no Brasil durou pouco mais de um ano, tendo sido implantada também de maneira "artificial", em 1961: a renúncia de Jânio Quadros ao cargo da presidência da República levaria João Goulart, o vice-presidente, ao governo.


República.

A república é o regime em que o governante é eleito pelo povo. Como no caso da monarquia, a república também pode ser associada a uma prática governamental: a república aristocrática, na qual o governo é de responsabilidade de grupos privilegiados; a república presidencialista, em que o presidente é eleito, ficando no cargo por tempo determinado e tendo como característica a divisão do
poder em administrativo, legislativo e executivo; e a república parlamentarista, em que o governante é eleito para o cargo de chefe de Estado, enquanto o parlamento escolhe o chefe de governo.

De 1889 a 1894, o Brasil é dominado pelos setores militares envolvidos diretamente na proclamação da República. Chefe do governo provisório, o marechal Deodoro da Fonseca assume a Presidência em 1891. Desfavorecido pela oposição do Congresso a sua política econômica, Deodoro renuncia em novembro do mesmo ano. Seu vice, Floriano Peixoto, assume o governo e usa o apoio popular para radicalizar a luta contra os monarquistas.

Ditadura Militar.

A Ditadura Militar é uma forma de governo no qual o poder político é efetivamente controlado por militares governaram o país, suprimindo direitos civis e reprimindo os que são contra este regime de governo. Este regime pode ser oficial ou não, ou misto onde os militares exercem forte influência sem ser o dominante.
Na sua grande maioria os regimes militares são constituídos após um golpe de Estado derrubando o governo anterior.
No Brasil o regime militar existiu entre os anos de 1964 a 1985. Caracterizando-se pela falta de democracia, supressão de direitos constitucionais, censura perseguição política e repressão aos que eram contrários ao regime militar.


Presidencialismo.

O presidencialismo é um sistema de governo no qual o presidente é o Chefe de Estado e de Governo. Este presidente é o responsável pela escolha dos ministros que o auxiliam no governo. No sistema de presidencialismo, o presidente exerce o poder executivo, enquanto os outros dois poderes, legislativo e judiciário, possuem autonomia. O Brasil é uma República Presidencialista desde 15 de novembro de 1889, quando ocorreu a Proclamação da República.
No Brasil o sistema parlamentarista existiu entre 7 de setembro de 1961 e 24 de janeiro de 1963, durante o governo do presidente João Goulart.


Retirado do site: http://www.coladaweb.com/historia/formas-de-governo-e-formas-de-estado

http://www.alunosonline.com.br/historia/formas-de-governo.html

http://www.sohistoria.com.br/ef2/sistemasgoverno/

http://www.algosobre.com.br/historia/parlamentarismo-no-brasil.html

sábado, 7 de novembro de 2015

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Até anime faz cosplay também 7.

Mickey como Kratos

Patrick como Staryu

Personagens do Pac-man como personagens do Star Wars

Personagens do hora de aventura como personagens do Pokémon.

Personagens do ursinho Puff como os 300 de Esparta

Princesa Jujuba e Marceline como enfermeira Joy e policial Jenny

Flapjack como Luffy

Jack como Altair

terça-feira, 3 de novembro de 2015

domingo, 1 de novembro de 2015

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

terça-feira, 27 de outubro de 2015

domingo, 25 de outubro de 2015

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Piratas.


Um pirata é um marginal que, de forma autônoma ou organizada em grupos, cruza os mares só com o fito de promover saques e pilhagem a navios e a cidades para obter riquezas e poder. O estereótipo mais conhecido do pirata se refere aos Piratas do Caribe e cuja época áurea ocorreu principalmente entre os séculos XVI e XVIII.

Pirataria.

Pirataria ou pirataria moderna, como alguns denominam, é a prática de vender ou distribuir produtos sem a expressa autorização dos proprietários de uma marca ou produto. Os principais produtos pirateados são roupas, calçados, utensílios domésticos, remédios, livros, softwares e CDs.
Além de poder frustrar o consumidor nos quesitos qualidade, durabilidade e eficiência, a pirataria de certos produtos, como remédios, óculos de sol e bebidas, por exemplo, pode representar sérios danos à saúde do consumidor.


História da pirataria.

O primeiro a usar o termo pirata para descrever aqueles que pilhavam os navios e cidades costeiras foi Homero, na Grécia antiga, na sua Odisseia. Os piratas são aqueles que pilham no mar por conta própria, embora hoje em dia este termo já seja aplicado a qualquer pessoa que viola alguma coisa.
Eles navegavam nas rotas comerciais com o objetivo de apoderarem-se das riquezas alheias, que pertencessem a mercadores, navios do estado ou povoações e mesmo cidades costeiras, capturando tudo o que tivesse valor (desde metais e pedras preciosas a bens) e fazendo reféns, para extorquir resgates. Normalmente esses reféns eram as pessoas mais importantes e ricas para que, assim, o pedido de resgate pudesse ser mais elevado.
Os piratas são considerados uns dos precursores dos conhecimentos de navegação marítima.
Na Idade Média, a pirataria passou a ser praticada pelos normandos, pelos Muçulmanos e piratas locais. Mais tarde esta história pirata difundiu-se pelas colônias europeias e no Japão, nomeadamente nas Caraíbas, onde os piratas existiam em grande quantidade, procurando uma boa presa que levasse riquezas das colónias americanas para a Europa, atingindo a sua época áurea no século XVIII.

Do fim do século XVI até o século XVIII, o Mar do Caribe era um terreno de caça para piratas que atacavam primeiramente os navios espanhóis, mas posteriormente aqueles de todas as nações com colônias e postos avançados de comércio na área. Os grandes tesouros de ouro e prata que a Espanha começou a enviar do Novo Mundo para a Europa logo chamaram atenção destes piratas.
As tripulações de piratas eram formadas por todos os tipos de pessoas, mas a maioria deles era de homens do mar que desejavam obter riquezas e liberdades reais. Muitos eram escravos fugitivos ou servos sem rumo. As tripulações eram normalmente muito democráticas. O capitão era eleito por ela e podia ser removido a qualquer momento.

Eles preferiam navios pequenos e rápidos, que pudessem lutar ou fugir de acordo com a ocasião. Preferiam o método de ataque que consistia em embarcar e realizar o ataque corpo a corpo.
No auge, os piratas controlavam cidades insulares que eram paraísos para recrutar tripulações, vender mercadorias capturadas, consertar navios e gastar o que saqueavam. Várias nações faziam vista grossa à pirataria, desde que seus próprios navios não fossem atacados. Quando a colonização do Caribe tornou-se mais efetiva e a região se tornou economicamente mais importante, os piratas gradualmente desapareceram, após terem sido caçados por navios de guerra e suas bases terem sido tomadas.
Desde aí a pirataria vem perdendo importância, embora em 1920 ainda tivesse a sua importância nos mares da China.


Código de Conduta.

As regras de cada capitão eram estabelecidas para cada um dos membros da tripulação. Aqui existia alguma incerteza acerca do comportamento aceitável entre os piratas num navio pirata normal. Quando as regras eram quebradas, a tripulação punia várias vezes sem dó nem piedade o infrator. Ainda assim, em alguns casos em que o pirata em questão desempenhava bem a sua função podia ser absolvido.


Exemplo de um código de conduta.


  • Todos os homens devem obedecer ao código civil; o capitão tem direito a uma parte e meia de todos os prêmios; o imediato, o carpinteiro, o mestre e o homem de armas têm direito a parte e um quarto.
  • Se alguém tentar fugir, ou guardar algum segredo do resto da tripulação, ele deve ser abandonado numa ilha deserta com uma garrafa de pólvora, uma garrafa de água, uma pequena arma e munições.
  •  Se alguém roubar alguma coisa, ou jogar, no valor de uns pesos, ele deve ser abandonado numa ilha deserta com uma pistola contendo uma única bala.
  • Se alguma vez nós nos tivermos de encontrar com outro pirata e esse homem seguir o seu código sem o consentimento do nosso capitão e da nossa tripulação, deve sofrer a punição como o capitão e a tripulação quiserem.
  •  O homem que desrespeitar estes artigos enquanto este código estiver em vigor, deve ser punido com a lei de Moisés.
  • O homem que abocanhar as suas armas ou fumar tabaco no porão, sem uma tampa no cachimbo, ou carregar uma vela acesa sem lanterna deve ter a mesma punição que o artigo anterior.
  •  O homem que não mantiver as suas armas prontas para o combate, que ficar noivo, ou se esquecer da sua função, deve sofrer qualquer punição que o capitão e a tripulação quiserem.
  • Se um homem perder o seu casamento deve ganhar 400 pesos.
  •  Se alguma vez te encontrares com uma mulher prudente, que esse homem se ofereça a intrometer-se com ela, sem o consentimento dela, deve sofrer morte certa.
  • O homem que fica para trás é deixado para trás.
 Recompensas da Pirataria.

Os piratas eram hábeis a recolher bens e riquezas espantosas nas suas incursões no oceano. As principais riquezas obtidas pelos piratas eram metais preciosos, dinheiro, joias e pedras preciosas. Mas a maioria pilhagens era feita aos mercadores, de quem roubavam linhos, roupas, comida, âncoras, cordas e medicamentos. A carga pilhada aos mercadores incluía artigos raros, tais como especiarias, açúcar, índigo e quinina.
A ideia dos tesouros enterrados é um mito, que está maioritariamente em livros com histórias de piratas. O pirata com o qual começou este mito foi o Capitão Kidd. Contudo, é possível que alguns piratas tenham escondido os seus tesouros deste modo, grande parte do dinheiro foi gasto a procurá-lo, mas sem sucesso.


 Corsários.

Também conhecidos como piratas eram homens que se dedicavam ao roubo de cargas de embarcações. Eram financiados por governos que queriam provocar prejuízos econômicos às nações inimigas. O período em que a ação destes corsários foi mais efetiva ocorreu entre os séculos XV e XVIII. Os corsários viviam fora da lei, realizando roubos e comércio ilegal de mercadorias. Eram organizados e costumam dar preferência pelo saque de embarcações carregadas de metais preciosos. A prática do corso foi extinta no século XIX, com o fortalecimento das nações. O Tratado de Paris (1856) colocou fim oficialmente a esta prática ilegal.


 Bucaneiro.

Em meados do século XVII, a palavra bucaneiro aplicou-se à maioria dos piratas e corsos que eram originários de bases das Índias Ocidentais.
Os bucaneiros eram piratas que, durante os séculos XVI e XVII, pilhavam principalmente o comércio espanhol com as suas colónias americanas. Os primeiros quartéis militares bucaneiros foram na ilha de Tortuga, sete quilómetros a noroeste da de Hispaniola.
O termo bucaneiro também se aplica às embarcações utilizadas pelos piratas e corsários da região e da época. Eram em geral embarcações de pequeno porte, assimiladas em porte aos destroyers, possuindo esse nome por serem um derivativo de "navio bucaneiro"; em função disso, é muito comum encontrar em textos, canções e folclore produzidos nos séculos XVI, XVII e XVIII o termo bucaneiro referindo-se ao navio e não ao pirata.
Durante os séculos XVII e XVIII a pirataria atingiu o seu ponto máximo e muitos piratas actuaram na altura.
Rapidamente a palavra bucaneiro se tornou comum, e no século XVII foi usado para denominar os piratas e corsos que tinham formado fortalezas nas Índias Ocidentais.


 Lista de piratas.

  •  Klaus Störtebeker (corsário e pirata)
  • Anne Bonny (pirata)
  • Pier Gerlofs Donia - o "Grutte Pier" (pirata)
  •  Bartholomew Roberts (pirata)
  •  Charles Vane (pirata)
  • Grace O'Malley (pirata)
  • Edward Teach – o "Barba Negra" (pirata)
  •  Sir Francis Drake (corsário)
  •  Henry Morgan (corsário e bucaneiro)
  • John Rackham (pirata)
  •  Wijerd Jelckama (bucaneiro)
  • L'Olonnais (bucaneiro)
  • Martin Tromp (corsário)
  •  Mary Read (pirata)
  •  Roc Brasileiro (bucaneiro)
  •  Capitão Kidd (corsário - pirata)
  • Henry Avery (pirata)
  •  Edward Low (pirata)
  Retirado do site: http://pt.wikipedia.org/wiki/Pirata

http://www.suapesquisa.com/o_que_e/corsarios.htm

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bucaneiro


quarta-feira, 21 de outubro de 2015

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Imagens legais 19.

Tsunade

Erza Scarlet

Kisame Hoshigaki

Hinata Hyuuga

Ho-oh

Shiryu de Dragão

Shun de Andrômeda

Tai e Metalgreymon

Related Posts with Thumbnails